Desenhos sonoros: refugiados e identidades em fluxo

Desenhos sonoros: refugiados e identidades em fluxo

Instalação artística colaborativa com desenhos e depoimentos de refugiados e do público.

“Desenhos sonoros: refugiados e identidades em fluxo” vivencia a troca intercultural provocada pela presença de imigrantes refugiados na cidade de São Paulo.

Memórias, identidade e traços culturais apresentados pelos refugiados são gerados e descobertos pelo público por meio de recursos interativos. O participante inclusive pode modificar a obra acrescentando seus próprios desenhos, criar ritmos e misturar sons, ampliando as relações previamente criadas de maneira colaborativa por um grupo de pessoas oriundas de vários países.

O objetivo do trabalho é utilizar recursos artísticos interativos como forma de compartilhar pensamentos, sentimentos e experiências pessoais, com o objetivo de conscientizar e humanizar o olhar sobre as questões de refugiados.

Depoimento para instalação “Desenhos sonoros: refugiados e identidades em fluxo from Francisco Arlindo Alves on Vimeo.

Se utilizou a programação da plataforma Scratch e o dispositivo Makey Makey permite que os participantes utilizem princípios da condutividade elétrica para descobrir os sons ao tocar em desenhos feitos com lápis grafite em um painel. ⠀

O trabalho foi criado pelo LINCE com o apoio da Caritas-SP, e apresentado no evento portas abertas na sede do Centro de Referência dos refugiados no centro de São Paulo em junho de 2019.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

Uma publicação compartilhada por Projeto LINCE (@projetolince) em

Além do desenho em destaque no texto de Prosper Dinganga (Congo) já com intervenções dos visitantes, a obra teve participação de Danya Hubbi (Syria), Adio Temitope James (apelido Jay de Nigéria), Raul Mandela (Angola) e Abdulbaset Jarour (Syria).

Deixe uma resposta